Um shopping de alta classe

Uma vez concedida a Licença de Implantação pela Sudema (aguardada para março próximo) e liberado o Alvará de Construção pela Prefeitura de Cabedelo (até maio), finalizados todos os projetos (fundação, hidráulicos, elétricos, materiais etc.) e contratada a força de trabalho necessária à obra (procedimentos que devem consumir mais três meses), será iniciada ainda este ano a construção do Shopping Intermares.
Setembro é uma boa aposta de data para o pontapé inicial do empreendimento que desde dezembro de 2012 depositou o seu projeto básico na Prefeitura de Cabedelo, onde levou um ano para ver análise prévia concluída e aprovada pelo governo municipal. Depois disso, toda a documentação referente ao futuro shopping foi encaminhada à Sudema, onde se encontra desde dezembro passado aguardando o licenciamento ambiental requerido ao órgão do Estado. 



Principal investidor do Shopping Intermares, o Grupo Marquise espera que a Sudema expeça já nos próximos dias uma Licença para Supressão de Vegetação no terreno de 95.000 m² situado na margem direita da BR 230 (sentido Cabedelo-João Pessoa), “confrontando-se nos fundos com a via férrea já existente, tendo como vizinho, pelo lado esquerdo, o Condomínio Vilas do Atlântico”. A partir daí, é só aguardar a LI (Licença de Implantação) e retornar à Prefeitura de Cabedelo para requerer e pagar o Alvará que libera, enfim, a obra pela qual tanto clama o povo de Cabedelo.
Não é pra menos. Afinal, o investimento previsto bate na casa dos R$ 200 milhões, grana capaz de gerar receita anual de R$ 70 milhões a ser repartida entre município (ISS), Estado (ICMS) e União (Pis-Cofins, INSS etc.). E, o mais importante, vai dar emprego a 1.500 operários durante a construção e mais 4.500 pessoas serão contratadas para trabalhar no shopping quando o Intermares estiver funcionando a plena carga com suas 300 lojas distribuídas em uma área bruta locável (ABL) de 60 mil m².

Impacto positivo

Encaminhamentos, dimensões, cifras e empregos que referenciam o Shopping Intermares me foram repassados ontem à tarde por Sérgio Gonçalves e também resumem o que ele chama de “impacto positivo” do empreendimento, o único que a obra produzirá em Cabedelo, garante. Gestor de implantação de shoppings do Grupo Marquise, ele descarta qualquer impacto negativo alegado por supostos ambientalistas em função da área onde o shopping será construído. “As áreas de proteção existentes na região são a Floresta Nacional (antiga Mata do Amém), que fica no bairro do Bessa, e a APP (Área de Proteção Permanente) da Praia do Jacaré, bem mais adiante de nossa área e que estão devidamente mencionadas estão devidamente respeitadas em nosso projeto”, já me dizia Sérgio em correspondência que trocamos por i-meio em setembro de 2012.


Sem obstáculos


Conversei com ‘o cara’ dos shoppings do Grupo Marquise para tirar dúvidas sobre o Shopping Intermares e esclarecer um monte de informações desencontradas que chegam de todos os lados sobre a iniciativa que vereadores de Cabedelo tentaram boicotar há um ano e meio. Por conta, e por muito pouco, não foram linchados pela população local. Por essas e outras, Sérgio não vê entraves ou pedras no caminho do futuro shopping nem os identifica no passado recente. “Passamos 2013 trabalhando nos projetos que são próprios de uma obra desse porte e complexidade”, disse, fornecendo-me elementos para montar, por minha conta e risco, o cronograma que abre a coluna.


Resolvido na Justiça


Quanto ao imbróglio judicial que envolveu ou ainda envolveria o terreno onde o shopping será edificado, abastecido por fonte de altíssima credibilidade apurei que esse problema também parece superado. O imóvel ainda se encontra em processo de inventário, mas os herdeiros, por vontade da maioria, obtiveram autorização da Justiça para fazer permuta do bem com o Grupo Marquise em troca de participação no negócio e, obviamente, nos lucros. Mas todo dividendo que for pago a eles será depositado em juízo e somente liberado após definida e resolvida a situação do viúvo de uma das herdeiras, falecida ano retrasado. Foi essa a solução encontrada pelo juiz da vara por onde corre o inventário, em segredo de justiça, para preservar o direito e a presumível quota-parte do cidadão, que teria nacionalidade norte-americana e, pelo visto, discordou da transação fechada pelas demais partes habilitadas à partilha do espólio.


Pra fazer a diferença

Por último, uma informação de ‘estilo’ que explica o título do artigo de hoje. Graças ao Intermares, dentro de dois ou três anos ninguém da Capital paraibana ou de seu entorno vai precisar sair daqui pra fazer compras no Recife. Principalmente se quiser consumir marcas de alto padrão, produtos que a clicheria do meio costuma chamar de ‘objetos do desejo’ dos consumidores mais exigentes e de elevado poder aquisitivo. Trata-se de uma ‘gente fina, elegante e sincera’, rotulada por quase todo mundo - do sociólogo ao marqueteiro - como público A e B. Pois bem, a proposta do futuro shopping é fazer a diferença nesse particular e trazer para cá grifes que a concorrência já instalada nunca tentou ou, se tentou, jamais conseguiu atrair.

Bônus:

Shopping Intermares

Sobre a coluna de ontem (‘Um shopping de alta classe’), faltou dizer que o prefeito Leto Viana, de Cabedelo, afirmou anteontem com todas as letras que recentemente renovou a liberação do projeto do Shopping Intermares. A declaração do alcaide está gravada. Foi dada em entrevista à Arapuan FM de João Pessoa,
Com isso, fica aparentemente prejudicada a informação de bastidores segundo a qual a Câmara de Vereadores daquela cidade teria restaurado meio na surdina a lei que proibia a construção de shopping no município, revogada ao final de 2012 por força de revolta popular. 
A lei contra o empreendimento teria sido exumada e ressuscitada na antevéspera do Natal do ano passado, graças a uma emenda do vereador Artur Cunha Lima Filho a um projeto de lei enviado ao Legislativo Municipal pelo próprio Leto. 
O prefeito, por sua vez, teria sancionado a lei – vejam só! – em plena ressaca do feriadão natalino, ou seja, no dia 26 de dezembro passado. 
Pelo visto, a história não bate com o que o prefeito afirma publicamente. De qualquer sorte, merece apuração, carece de confirmação. Em se tratando de Cabedelo, sob a velha ou nova direção, tudo é possível.


O povo quer saber

Nem que seja para mostrar coerência ao discurso de que trabalha muito para atrair grandes empresas para o Estado, na lógica de que tais investimentos criam milhares de empregos para a gente boa e trabalhadora da Paraíba, por que o governador Ricardo Coutinho não abre a boca nem move uma palha em favor da construção do Shopping Intermares? Por que será, hem?

http://www.jornaldaparaiba.com.br/coluna/rubensnobrega
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...