Obra de contenção de erosão em área turística da PB está atrasada

Segundo a Seplan, escolha da técnica ideal colaborou para atraso.
Intervenção vai dissipar energia das ondas que batem na falésia.





Placas foram instaladas na Praça de Iemanjá, que
já está parciamente destruída pela força do mar
(Foto: Luiz Vaz/Secom-JP)


Do G1 PB

As obras de contenção da erosão na área da Falésia do Cabo Branco, em João Pessoa, estavam previstas para ter início em janeiro de 2013, porém, ainda não têm data para começar. Segundo a assessoria da Secretaria de Planejamento de João Pessoa (Seplan), o atraso ocorreu devido ao processo de escolha da técnica ideal a ser utilizada na área, que levou em consideração o estudo realizado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e pela Universidade Federal da Pernambuco (UFPE), contratado pela Prefeitura, tanto dentro do mar como ao longo da faixa litorânea.

Tambem influenciou a escolha da fabricante que pode oferecer o melhor produto dentro da técnica escolhida. “A maioria dos fabricantes são internacionais e não tinham representantes no país”, diz a nota da Seplan.


O projeto ainda está em fase orçamentária e falta iniciar o processo de licitação para ser dada a ordem de execução. As obras estão orçadas em R$ 15 mihões, mas, por enquanto, a Seplan está negociando R$ 7.251.067,45 milhões com a Caixa Econômica Federal.

O Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) das obras de contenção da erosão da falésia do Cabo Branco foram apresentadas em dezembro de 2011. A intervenção proposta para a área é um enrocamento aderente (rochas arrumadas) na linha da costa, com o objetivo de dissipar a energia das ondas que batem na falésia. Além disso, serão instalada estruturas de quebra-mares na Praia do Seixas.

A estrutura deve ter aproximadamente 440 metros de extensão e vai ficar afastada da praia 230 metros. Outra parte, em frente à Praça de Iemanjá, terá 151 metros de extensão e ficará afastada da praia 80 metros.

A área que vai ser beneficiada com a intervenção abrange o Farol do Cabo Branco e a Estação Cabo Branco, alguns dos principais cartões postais de João Pessoa, a Ponta do Seixas, considerado o ponto mais oriental das Américas, e a Praça de Iemanjá, que já está parcialmente destruída com a força do mar.


Falésia do Cabo Branco sofre constante erosão; intervenção deve dissipar energia das ondas que batem na barreira (Foto: Felipe Gesteira/Secom-JP)


Erosão

Em 2012, geólogo e analista ambiental da Secretaria do Meio Ambiente (Semam), Williams Guimarães, havia alertado que o Farol do Cabo Branco, um dos principais cartões postais de João Pessoa, tende a desabar no mar em um período de 20 anos. A estrutura é localizada no alto da Falésia do Cabo Branco e está em uma área que recua entre 0,46 e 1,92m por ano devido à erosão causada pelo contato com o mar. Essa área ainda abrange a Praia do Seixas e a Praça de Iemanjá.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...