Como obter energia quase de graça: Comparando o consumo das lâmpadas


Vamos estudar três tipos de lâmpadas. As incandescentes (convencionais), as fluorescentes e as de led. Existem tantas outras como as de vapor de mercúrio, vapor de sódio e halógenas (dicróicas e outras), mas não entraremos nesses detalhes, porque nos interessa as mais utilizadas em casa.
INCANDESCENTE
A lâmpada incandescente é aquela cujo filamento de platina foi inventado por Humphry Davy em 1802 e Thomas Edson, conhecido como o inventor, foi o primeiro a produzir lâmpadas comercializáveis em 1879. Faz tempo não é? A tecnologia demorou para evoluir neste quesito.
Acostumamo-nos com elas ao longo de tantos anos de uso e inclusive associamos a potência delas com a iluminação que elas fornecem, mas a potência é na verdade, o consumo de energia elétrica.
Lembram-se quando as pessoas citavam a luminosidade das lâmpadas como Velas e não Watts?
Por isto a associação, a luminosidade de uma lâmpada de 60 Watts era considerada como a de 60 velas iluminando ao mesmo tempo, mas não é verdade, é apenas um vício de linguagem criado em Portugal porque não existe o W na língua de Camões.Vale saber que unidade oficial de intensidade luminosa é a “candela”.
Se uma lâmpada de 60 Watts ficar ligada 10 horas por dia ao longo de 30 dias ela gastaria em torno de R$ 9,00 dependendo do preço de cada companhia elétrica. Neste exemplo R$ 0,50 por kWh. Explicamos esta conta: (60 x 10 x 30 / 1000) x 0,50 em um artigo anterior.
FLUORESCENTE
Neste tipo de lâmpada, a corrente elétrica que passa através do gás preso no tubo de vidro, emite grande quantidade de radiação ultravioleta que é convertida em luz visível pela camada de fósforo que reveste os tubos. Por isto a luz fluorescente parece mais branca que as incandescentes.
A partir do momento que a indústria começou a compactar este tipo de lâmpada, elas se tornaram populares e mais acessíveis ao público.
O grande benefício delas sobre as incandescentes é que a relação de luminosidade comparada com o consumo de energia elétrica é muito mais vantajoso. Maior luminosidade com menor gasto.
Uma lâmpada fluorescente compacta de 15 Watts ilumina igual a uma incandescente de 60 Watts.
Repetindo as contas com uma lâmpada que consome 15 Watts ligada 10 horas por dia ao longo de 30 dias, teríamos um gasto em torno de R$ 2,25 que significa um quarto do que a incandescente gasta.
Nossas contas mostram 75% de economia, mas existem fabricantes que prometem 80% de energia com 8.000 horas de vida útil. Boa economia.
LEDS
Os leds são semicondutores, diodos emissores de luz (Light Emitting Diode), portanto não nasceram com o objetivo de iluminar ambientes, mas atualmente estão com tudo.
Os Leds apresentam o menor consumo entre todos os tipos de lâmpadas. Nos modelos de alto brilho, o consumo de energia equivale a 10% de uma lâmpada convencional e uma vida útil de até 80.000 horas.
Uma lâmpada construída com leds de alta luminosidade consome em torno 8 W para atingir a luminosidade equivalente à uma lâmpada incandescente de 60 W.
Então projetando a mesma situação exemplificada anteriormente: 8 x 10 x 30, o gasto seria de R$ 1,20. Quase a metade da fluorescente, sem contar que pode durar 10 vezes mais.
Comparando com a incandescente então, o led economiza quase 90% e dura imensamente mais.

Imprimir artigoGuardar como PDF
Postar um comentário
>