Top 10: Consoles MENOS Vendidos

Essa lista mostra os 10 consoles que não tiveram boa saída e terminaram sendo retirados das prateleiras antes do esperado… Segue a lista e um pouco da história de cada.

10. Sega Dreamcast (10,6 milhões de unidades)


O Dreamcast (que recebeu vários outros nomes antes do lançamento, como White Belt, Black Belt, Dural, Dricas, Vortex, Katana, Shark, e Guppy) foi lançado em 1998 e é bem respeitado hoje em dia, foi produzido para disputar o mercado com o PlayStation e Nintendo 64, sucedendo o Sega Saturn. Foi um console bem à frente do seu tempo, o primeiro a permitir jogos on-line.
O principal motivo do fracasso do console da Sega foi o lançamento do PlayStation 2 em março de 2000, apenas 16 meses após o lançamento do Dreamcast. A Sega abandonou, em março de 2001, não apenas a produção do Dreamcast, como também o ramo dos consoles.
…………………………………………………

9. TurboGrafx-16 (10 milhões de unidades)

Conhecido no Japão e por alguns de nós como PC Engine, o 8 bits da NEC foi lançado em 1987 no Japão e no ano seguinte nos States. Com um avançado chip gráfico de 16 bits, o console conseguia reproduzir 482 cores simultaneamente, rivalizando com o NES e Master System.
O TG16 foi o primeiro console a ter um módulo opcional para CD, oferecendo jogos melhores por um preço de custo mais baixo. O console teve uma boa aceitação mas, apesar de ter vendido mais do que o Famicom no Japão, o TG16/PC Engine desapareceu em 1999.

…………………………………………………
8. Sega Saturn (9,5 milhões de unidades)

O Saturn apareceu em 1994, era uma máquina de 32 bits poderosa para o seu tempo. Com duas GPUs e mais 6 processadores, era um console complexo e caro comparado ao seu concorrente direto, o PlayStation.
Apesar de uma capacidade gráfica superior, o Saturn não sobreviveu mais de 4 anos, morrendo em 98. Virtua Fighter 2 foi o seu jogo mais vendido.
…………………………………………………

7. Sega CD (6 milhões de unidades)

O sucesso do CD player adaptado do TurboGrafx-16 foi tanto que a Sega se incomodou e desenvolveu também o seu. Conhecido também como Mega-CD, o aparelho lançado em 1992 era adaptado no Mega  Drive como uma plataforma, mas logo foi substituído pelo “Sega CD 2″, que era uma bandeja que ficava na lateral, e foi lançado no Brasil em 1992, como o nome reduzido a Sega CD.
Em dois anos de vida, o Mega CD não vendeu mais de 380.000 cópias no Japão, isso significava 11% dos donos de Mega Drive… em 1995 o console deixou de ser fabricado.

…………………………………………………
6. 3DO (2 milhões de unidades)

O 3DO era a promessa da nova geração de jogos em CD que nascia, mas toda essa tecnologia chegou por um preço muito alto: 700 dólares no lançamento em 1993. O mercado de games, que já estava super saturado e dominado pela Atari, NEC, Sega e Nintendo, não recebeu tão bem a novidade.
A empresa batizada de 3DO Company ainda desenvolveu um outro console, chamado de M2, que nunca foi lançado, mas a tecnologia não foi desperdiçada e terminou sendo adaptada em uma placa para arcade pela Konami.
Curiosidade: O idealizador desse console foi Trip Hawkins, fundador da EA Games.

…………………………………………………
5. Nintendo Virtual Boy (770 mil unidades)

O primeiro vídeo game portátil a criar gráficos tridimensionais reais teve uma vida extremamente curta, apenas 1 ano se passou do seu lançamento em 1995, até o aviso de ‘abandono’ em 96. Provavelmente os gráficos monocromáticos provocaram o desapontamento dos gamers e a prematura queda do promissor console.
A verdade é que o Virtual Boy não seria lançado nesse estágio do projeto, a Nintendo apressou seu lançamento por causa do seu outro projeto, um tal de “Ultra 64″.

…………………………………………………
4. CD-I (570 mil unidades)

Esse sistema 16 bits com CD-ROM da Phillips, lançado em 1991, não foi anunciado como um vídeo-game, mas sim como um player multimídia que podia executar todo tipo de conteúdo em CD-ROM, desde música e filmes até enciclopédias ilustradas e jogos interativos. O aparelho era vendido como um player qualquer.
Como as vendas estavam baixas, em 1994 a Phillips anuncia o CD-i finalmente como “vídeo game”, o aparelho ganhou novo design e publicidade, mas essa decisão teria sido tomada tarde demais. No ano seguinte, os gamers já estavam com PlayStation, Nintendo 64 e Sega Saturn em suas casas, o CD-i foi abandonado em 1996.

…………………………………………………
3. Atari Jaguar (250 mil unidades)

Lançado em 1993, o 64 bits da Atari veio para combater diretamente o 3DO na quinta geração de consoles, mas falhou miseravelmente. Por ser um sistema muito complexo, era difícil desenvolver jogos para ele, fazendo com que poucos títulos aparecessem para o console no mercado.
Mais uma vez, a chegada do PlayStation e seus amigos em 95 acabaram com as esperanças de um console. O Jaguar parou de ser fabricado em 1996, mas até hoje existe uma grande comunidade de fãs que produzem jogos caseiros para ele, tornando-o um verdadeiro clássico “cult”.
…………………………………………………

2. Sega 32X (200 mil unidades)

Como o Sega CD não funcionou muito bem, surge mais um adaptador projetado para o Mega Drive. O Sega 32X chegou ao mercado em 1994, com a promessa de dobrar o poder do console. O esforço foi mais uma vez em vão.
A Sega ainda planejava o lançamento de um novo console, o Neptune (a Sega adora batizar consoles com nomes de planetas), que seria um Mega Drive com 32X interno, mas na época do lançamento, o novo Sega Saturn estava pronto para cair no mercado, e o projeto morreu na prancheta de desenho.
…………………………………………………

1. Apple Bandai Pippin (42 mil unidades)


A parceria da Apple com a Bandai gerou um “console” com a intenção de ser um computador mais acessível e que rodasse jogos em CD, com funções multimídia e acesso à internet.
No lançamento, em 1995, o combo custava 600 dólares, era um preço mais acessível do que um computador na época. Nesse mesmo ano, o mercado dos games estava dominado pelo Playstation e Nintendo 64. Sem espaço para crescer, o Apple Pippin morreu dois anos depois do lançamento, em 1997.

 http://oldgamesftw

Imprimir artigoGuardar como PDF
>